29/12/2016

The System is Broken - "O Sistema está Avariado"

Bem, o sistema está avariado e os economistas não nos conseguem tirar disto. 


Num artigo de final de ano, o biógrafo de John Maynard Keynes, o economista Lord Robert Skidelsky escreve "Sejamos honestos: hoje ninguém sabe o que está acontecer na economia mundial. A recuperação desde o colapso de 2008 foi inesperadamente lenta. Estamos no caminho para a saúde plena ou para um atolado de "estagnação secular"? A globalização vem ou vai? "

Ele prossegue: "Os decisores políticos não sabem o que hão fazer. Eles pressionam as alavancas usuais (e incomuns) e nada acontece. O Quantitative Easing (Injecção de dinheiro) deveria ter trazido a inflação de volta ao estimado. Não o fez. A Contracção Fiscal (Austeridade) deveria ter restaurado a confiança. Não o fez.


Skidelsky coloca a culpa disto sobre o estado da macroeconomia - ele lembra-nos a infame visita da Rainha
Isabel II à London School of Economics no auge da Grande Recessão, em 2008, quando ela perguntou a um grupo de eminentes economistas: Porque é que não viram isto a chegar? Eles responderam que não sabiam porque é que não sabiam!


Skidelsky continua para considerar as várias razões para o fracasso da economia dominante em ver a crise chegar ou agora para saber o que fazer com isso. Uma razão pode ser a concentração da educação económica em modelos irrealistas e fórmulas matemáticas, ao invés de compreender "o quadro completo". Ele considera que a economia se isolou do "entendimento comum de como as coisas funcionam ou devem funcionar". Esta análise segue a argumentada recentemente por Paul Romer, o novo economista-chefe do Banco Mundial, que, ao renunciar à academia, também atacou o estado da macroeconomia de hoje.


A segunda razão de Skidelsky é que a economia dominante considera a sociedade como uma máquina capaz de alcançar o equilíbrio entre a oferta e a procura, de forma que os "desvios do equilíbrio são "atritos", meras "lombas na estrada "; Os resultados são predeterminados e óptimos." O que isto não consegue reconhecer, diz Skidelsky, é que são seres humanos a operar um sistema económico e não podem ser ajustados num modelo ou numa máquina de equilíbrio. A matemática então entra no caminho do quadro geral com todas as suas imprevisibilidades e mudanças humanas. O que está errado com a economia, de acordo com Skidelsky, é que há uma falta de "educação ampla e de perspectivas". Os economistas precisam saber sobre coisas mais amplas na organização, no comportamento social e na história do desenvolvimento humano, não apenas dos modelos e fórmulas matemáticas.


Embora os argumentos de Skidelsky tenham mais do que um elemento de verdade, ele não explica realmente porque é que a economia dominante se tornou divorciada da realidade. Isto não é um erro de educação (económica) ou falta de conhecimento de ciências sociais mais amplas, como a psicologia; É o resultado deliberado da necessidade de se evitar encarar a realidade do capitalismo.

A "economia política" começou como uma análise da natureza do capitalismo numa base "objectiva" pelos grandes economistas clássicos Adam Smith, David Ricardo, James Mill e outros. Mas assim que o capitalismo se tornou o modo dominante de produção nas grandes economias, ficou claro que o capitalismo era outra forma de exploração do trabalho (desta vez pelo capital), então os economistas moveram-se rapidamente para negar esta realidade.

Em vez disso, a economia dominante tornou-se uma apologia para o capitalismo, com o equilíbrio geral substituindo a concorrência real; Utilidade Marginal substituindo a Teoria do Valor do Trabalho e a Lei de Say substituindo as crises.  (Lei dos Mercados de Say)



Como disse Marx sucintamente: "De uma vez por todas, posso afirmar aqui que, pela economia política clássica, compreendo que a economia desde o tempo de W. Petty investigou as relações reais de produção na sociedade burguesa, em contraposição à
economia vulgar, que trata apenas das aparências, reflecte sem cessar sobre os materiais desde há muito fornecidos pela economia científica, e lá procura as explicações mais plausíveis para os fenómenos mais absurdos, para o uso diário do burguês, mas para o resto, limita-se a sistematizar duma forma pedante e proclamando as verdades eternas, as ideias banais sustentadas pela burguesia auto-complacente em relação ao seu próprio mundo, para eles o melhor de todos os mundos possíveis ".



O que há de errado com a economia dominante não é (apenas) os economistas de hoje que são estreitamente matemáticos e focados em modelos económicos - não há nada inerentemente errado com o uso de matemática e modelos - ou que a maioria dos economistas não têm a "erudição mais ampla e talentos múltiplos" dos economistas clássicos do passado. É que a economia já não é "economia política", uma análise objectiva das leis do movimento do capitalismo, mas uma apologia para todas as "virtudes" do capitalismo.


O pressuposto desta economia é que o capitalismo é o único sistema viável de organização social humana que irá entregar os desejos e necessidades das pessoas. Não há alternativa. O capitalismo é eterno e funciona desde que não haja muita interferência nos mercados de forças externas como o governo ou de monopólios "excessivos". Ocasionalmente, a tarefa é controlar "choques" ao sistema (visão neoclássica) ou fazer intervenções para corrigir "problemas técnicos" na produção capitalista e na circulação (visão keynesiana). Mas o próprio sistema está bem.


Veja-se a reacção de Paul Krugman (Nobel Economia 2008) ao artigo de Skidelsky. O que irrita Krugman é a sugestão de Skidelsky de que a economia dominante considera que a Contracção Fiscal (Austeridade) era necessária para "restaurar a confiança" depois da Grande Recessão. Krugman, como moderno decano do keynesianismo, discorda do biógrafo de Keynes. A economia dominante, pelo menos a ala keynesiana, argumentava o contrário. Mais gastos do governo, e não menos, teriam tirado a economia capitalista da depressão. Isto é macroeconomia básica, diz Krugman.


Ele prossegue para reivindicar que a austeridade está "fortemente correlacionada com as recessões económicas". Na verdade, a evidência para essa afirmação é realmente bastante fraca, como mostrei em vários lugares no meu blog e em artigos (publicados e futuros). As grandes soluções keynesianas de dinheiro fácil, taxas de juros zero e gastos fiscais ficaram bem longe de dar um fim à depressão quando foram testados (e todos os três foram tentados no Japão).

Krugman, é claro, diz-nos que eles não foram tentados, pelo menos não o suficiente. Os políticos "recusaram-se a usar a política fiscal para promover empregos; Eles escolheram acreditar no conto de fadas da confiança para justificar os ataques ao estado de bem-estar, porque era isso o que queriam fazer. E sim, alguns economistas deram-lhes cobertura. Mas essa é uma história muito diferente da afirmação de que a economia não conseguiu oferecer orientação útil. Pelo contrário, ofereceu uma orientação extremamente útil, que os políticos, por razões políticas, optaram por ignorar ".


Na minha opinião, os decisores políticos podem ter optado por ignorar os gastos fiscais para resolver o "problema técnico" da Grande Depressão, em parte "por razões políticas". Mas há também boas razões económicas para argumentar que, numa economia capitalista, o aumento dos gastos do governo e os déficits orçamentais correntes não obterão uma recuperação económica se a rentabilidade do capital for baixa.



Skidelsky mencionou o outro grande ângulo morto da economia dominante: a alegação de que a livre circulação de bens e capital, a globalização, funciona para todos. Angus Deaton, vencedor do Prémio Nobel de Economia em 2015, é um defensor optimista da globalização. O livro de 2013 de Deaton, "The Great Escape", argumentou que o mundo em que vivemos hoje é mais saudável e mais rico do que teria sido, graças a séculos de integração económica.  Numa entrevista ao Financial Times, Deaton diz que "a globalização para mim não parece ser um dano de primeira ordem e acho muito difícil não pensar no bilião de pessoas que foram tiradas da pobreza como resultado".


Já discuti os argumentos de Deaton em artigos anteriores. Deaton representa tudo o que há de melhor na economia dominante, como ele olha para as grandes questões: globalização, robôs, desigualdade e saúde humana e felicidade. Ele está agora preocupado com a ameaça da participação dos robôs no trabalho, as crescentes desigualdades em relação à "busca para alugar" e a deterioração da saúde dos norte-americanos por causa do uso excessivo de drogas que as empresas farmacêuticas lhes aplicam. Ele reconhece que "a felicidade efectiva atingiu o pico assim que uma pessoa estava ganhar o equivalente a US $ 75.000 por ano."


Naturalmente, a maioria não ganhar sequer isso, como Deaton sabe. Mas ele continua confiante de que o capitalismo é o melhor sistema de organização social, já que tirou um bilião de pessoas "para fora da pobreza" nos últimos 250 anos. Assim, o capitalismo funciona, mesmo que os seus apologistas ignorem o seu funcionamento e não possam explicar quando não funciona.



O entrevistador do Financial Times deixou Deaton e voltou para seu carro. "Há um bilhete de estacionamento molhado e colado ao meu pára-brisas, uma multa de US $ 40. Eu sorrio. Eu também estou de volta ao conselho que Deaton ofereceu quando me sentei e mencionei o meu medo de depois ter uma multa. "Eu tenho certeza que você se pode livrar dela", disse o prémio Nobel. "Basta dizer-lhes que o sistema estava avariado."


Bem, o sistema está avariado e os economistas não nos conseguem tirar disto.


por Michael Roberts


RiseUP Portugal

Sem comentários:

Enviar um comentário